Custos e Corretoras Para Investir no Tesouro Direto

Os custos do Tesouro Direto se resumem aos impostos sobre os rendimentos e às taxas cobradas pela sua Instituição Financeira e pela BM&FBOVESPA, referentes aos serviços prestados.
Mas não se preocupe: elas são bem baixas em comparação aos fundos de investimento ou previdência privada do seu banco.

E-BOOK GRATUITO

curso para investir na bolsa de valores

Impostos

Os impostos cobrados sobre as operações realizadas no Tesouro Direto são os mesmos que incidem sobre as operações de renda fixa, no CDB e fundos de investimento do seu banco:

Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF): para resgates da aplicação em menos de 30 dias;


Imposto de Renda (IR): com alíquota regressiva a depender da duração do investimento.


O Imposto de Renda incide sobre a rentabilidade da seguinte maneira:

22,5% para aplicações com prazo de até 180 dias;


20% para aplicações com prazo de 181 dias até 360 dias;


17,5% para aplicações com prazo de 361 dias até 720 dias;


15% para aplicações com prazo acima de 720 dias.

Há incidência de impostos sobre os rendimentos financeiros auferidos na venda antecipada, no pagamento de cupom de juros (o IOF não incide sobre os cupons de juros; somente o IR) e no vencimento dos títulos.


Os dias para efeito de incidência de imposto de renda são contados a partir da data da compra.


Portanto, com relação aos cupons de juros do Tesouro Prefixado com Juros Semestrais e Tesouro IPCA com Juros Semestrais, serão aplicadas as alíquotas do Imposto de Renda previstas, com o prazo contado a partir da data de início da aplicação.


Uma das grandes vantagens é que não há come-cotas no investimento em títulos públicos, diferente do que ocorre nos fundos de investimento.


Trata-se de uma grande vantagem tributária, pois a parcela que seria paga como imposto de renda permanece em sua carteira de investimento, rendendo juros que serão seus no momento do resgate.


Mesmo com o pagamento do imposto de renda, a rentabilidade líquida deste investimento é seguramente maior que a caderneta de poupança, por exemplo.
Não se deixe enganar por isso.

Taxas

São duas as taxas cobradas no Tesouro Direto, sendo uma pela BM&FBOVESPA, referente aos serviços prestados, e uma pela sua Instituição Financeira.


Em geral elas são significativamente mais baixas que as cobradas em outros produtos de renda fixa oferecidos no mercado:

Taxa cobrada pela BM&FBOVESPA

Taxa de custódia de 0,30% a.a. sobre o valor dos títulos, referente aos serviços de guarda dos títulos e às informações e movimentações dos saldos:

Esta taxa é provisionada diariamente a partir da liquidação da operação de compra (D+2).


Perceba que 0,30% ao ano é muito pouco, em comparação com as taxas dos fundos de investimento oferecidos pelo seu banco.

Taxa cobrada pela Instituição Financeira

A taxa cobrada pela Instituição Financeira é livremente pactuada com o investidor.


O Tesouro Direto disponibiliza em sua página um ranking com as taxas cobradas por cada instituição. 


Cabe ao investidor confirmá-las no momento da contratação.


A taxa pode ser uma cobrada anualmente, modalidade mais comum, ou por operação.


Para esclarecimentos quanto ao pagamento dessa taxa, contate a Instituição financeira correspondente.


Em relação ao modo de cobrança, em regra geral, as taxas são cobradas semestralmente, no primeiro dia útil de janeiro ou de julho, quando o valor das taxas de toda a carteira ultrapassar R$ 10,00, ou, por título, na ocorrência de um evento de custódia (pagamento de juros e vencimento do título) ou na venda antecipada, o que ocorrer primeiro.


Enquanto esses eventos não ocorrem, as taxas devidas são diariamente acumuladas no extrato, sob o status de devida, o que, não quer dizer que é exigido o pagamento imediato.


As informações sobre o recolhimento dos recursos para o pagamento das taxas devem ser obtidas junto à sua Instituição Financeira.

Como Escolher uma Corretora para Investir no Tesouro Direto

Como acabei de explicar, existem duas taxas cobradas para investir no Tesouro Direto: (a) a taxa cobrada pela BM&FBovespa e (b) a taxa cobrada pela corretora.


A taxa da BMF&Bovespa é obrigatória e imutável, independente da corretora que você escolher. Já a taxa cobrada pela corretora varia de uma para a outra, podendo até não ser cobrada.


Você ouviu bem: existem corretoras que não cobram taxa para investir no Tesouro Direto.


A pergunta automática que muitos fazem é a seguinte:

Por que uma corretora não cobraria essa taxa?


Para muitos, isso não é muito intuitivo, afinal corretoras são instituições com fins lucrativos. Logo, ela não está fazendo caridade. Então qual a vantagem em se utilizar dessa prática?


A grande vantagem para as corretoras é que, muitas vezes, um cliente que começa investindo apenas em títulos públicos, com o passar do tempo, também investe em renda variável (ações, fundos de índice, fundos imobiliários).


Daí, elas receberão a taxa mais lucrativa para as corretoras: a taxa de corretagem, que é cobrada sobre qualquer operação de compra e venda de ações, fundos imobiliários ou fundos de índice.


Que fique bem claro: essa taxa só será cobrada se você investir nesses ativos que acabei de mencionar.


Caso você opte por investir apenas em títulos públicos, não sofrerá nenhuma cobrança de taxa, caso tenha optado por uma corretora que não cobre essa taxa.


Entendido o motivo de algumas corretoras não cobrar essa taxa, recomendo que você escolha uma corretora que não a cobre ou que cobre taxas bem baixas (até 0,1% ao ano).


Você não deve escolher apenas pela taxa, pois é necessário também analisar o porte da corretora, a facilidade de utilizá-la e sua reputação no mercado.


Às vezes, o barato pode sair caro. Então é bom levar outros pontos em consideração, e não apenas a taxa de administração. Como mencionado acima, o Tesouro Direto disponibiliza em seu site uma lista atualizada com um ranking das corretoras.


O porte da corretora também pode ser medido pelo volume que ela movimenta diariamente.

Agente integrado

Além de informar quanto cada corretora cobra, esse ranking também informa se a corretora é agente integrado ou não.


Quando uma corretora informa que é um agente integrado (com um SIM nesta coluna), isso significa que você pode investir no Tesouro Direto através do site da própria corretora, sem precisar usar o site do Tesouro Direto.


Trata-se de um ótimo benefício pois, via de regra, os sites das corretoras são muito mais organizados e fáceis de utilizar que o site do Tesouro Direto.


Quando uma corretora não é um agente integrado, você terá que operar diretamente pelo site do Tesouro Direto.


Já adianto que o site tem uma usabilidade bem complicada, além de um visual pouco agradável. Para alguns, pode até passar uma sensação de insegurança.


Por essa razão, recomendo que você escolha uma corretora que seja, sim, um agente integrado.


Recomendo apenas que não escolha uma corretora apenas por não cobrar taxas e por ser agente integrado.

Antes de se cadastrar, entre em contato com a corretora, até para testar como funciona seu canal de atendimento.


Se sua experiência não for boa, talvez valha a pena escolher uma corretora que cobre essa taxa, mas que ofereça um serviço de melhor qualidade. Afinal, nem tudo deve ser escolhido exclusivamente pelo preço.

Você Também Vai Gostar De Ler Isso:

O que é Tesouro Direto?

O Que São Fundos Imobiliários?

Como Investir Na Bolsa?

Por que uma corretora e não meu banco?

Essa é uma pergunta muito comum, pois muitos têm medo de abrir uma conta numa instituição financeira que não conhecem. Existem duas razões.


A primeira delas é o custo, pois as corretoras independentes (que não estão ligadas aos bancos) possuem taxas muito menores, podendo até serem gratuitas.


A segunda razão (e talvez o maior medo de quem está começando) é o baixo risco.
Mesmo se a corretora quebrar, ainda assim o dinheiro que estiver investido em títulos públicos estará garantido.

Lembra que eu falei que uma das taxas cobradas é pela BM&FBovespa?


Essa taxa não é cobrada à toa.
Isso ocorre porque seus títulos não ficam na corretora, eles são mantidos (o termo técnico é custodiados) na BM&FBovespa, através da CBLC (Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia).


Então você já está pagando por esse serviço, justamente para ter essa garantia.


Sua corretora serve apenas como um intermediário, para oficializar a compra e venda de títulos públicos junto à CBLC. Caso sua corretora venha a falir, basta você transferir a custódia dos seus títulos para a nova corretora, sem risco algum.


Para não dizer que não há risco algum, você só precisa ficar atento ao dinheiro mantido na conta corrente da corretora. Este é o único capital que poderia ser perdido em caso de falência da corretora.


Por essa razão, sempre que você transferir um dinheiro da sua conta para a conta da corretora, invista-o imediatamente.


Da mesma forma, quando fizer um resgate ou algum título vencer, reinvista o quanto antes esse valor, ou solicite a transferência para sua conta corrente, em seu banco atual.


De resto, pode ficar tranquilo. Seus investimentos estão bastante seguros, independente da corretora escolhida.

Se você deseja dar um passo a mais e aprender tudo sobre essa excelente modalidade de investimento, ti convido a clicar na imagem abaixo e conhecer o treinamento Tesouro Direto Descomplicado.

Sucesso e Bons Investimentos.

RECOMENDADO

13 Comentários


  1. Muito interessante, gostei muito do seu artigo,muito completo, eu estava buscando compreender mais sobre esse assunto, agora sim eu não tenho dúvidas nem uma obrigada.

    Responder

  2. Investimento é uma coisa séria. No passado perdi dinheiro por fazer investimento de forma errada. E como dizem “gato escaldado tem medo de água fria”, hoje sou muito precavido quando se trata de investimento. Achei a matéria bem esclarecedora e baixei seu e-book. Muito Obrigado.

    Responder

  3. Amei das dicas sobre investimentos do seu blog, pois precisamos descobrir uma forma de garantir a nossa aposentadoria sem depender no INSS. Tô baixando o seu ebbok agora mesmo! Super inscrita para receber suas novidades. Obrigadaaa!!

    Responder

  4. Muito interessante esta informação!!! Investimentos alternativos são muito bem vindos pois em nossopais a aposentadoria já não é garantia nenhuma!

    Responder

  5. Gostei muito das informações contidas nesse artigo,quero mesmo aprender sobre investimento e tesouro direto, muito obrigado!

    Responder

  6. Adorei saber que existem corretoras que não cobram taxa para investir no Tesouro Direto! Muito obrigado, já vou baixar o EBook para aprender cada vez mais. Estou lutando para ganhar uma causa e caso saia com certeza irei investir em Tesouro Direto e por isso me interessei pelo tema.
    Obrigado!

    Responder

  7. Muito bom artigo,ja baixei meu ebook quero aprende a investi,qual valor minimo para investi no tesouro direto?

    Responder

  8. Estou começando a fazer meus investimentos, comecei com tesouro direto mas quero saber muito mais sobre outros tipos de investimentos, já baixei o ebook e estou gostando muito de ler ele, obrigado por compartilhar

    Responder

  9. Como o brother comentou acima, eu fiz o mesmo: Fiquei anos numa empresa, saí e peguei uma grana até legal, mas por não ter investido em algo rentável, acabei gastando a grana toda e perdi uma ótima oportunidade.
    Obrigado pelas dicas!

    Responder

  10. Quando o assunto é investimento, todo cuidado é pouco. Eu estava com medo de investir, mais agora com o tesouro direto vou poder me guiar pelo caminho correto, pelos custos corretos para investir meu suado dinheiro kkk, obrigado

    Responder

  11. quando o assunto é investimento fico um pouco perdida esse artigo me ajudou um pouco a entender um mais sobre tesouro direto

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *